Phi Phi: Paraíso tropical na Tailândia

Um arquipélago fantástico, formado por enormes rochedos emergindo abruptamente do oceano, praias paradisíacas de areia branca e águas de um impressionante verde esmeralda, habitadas por uma exótica fauna marinha. [Texto e Fotos: Johnny Mazzilli]

 

Um dos mais encantadores países asiáticos, com um povo gentil e carismático, praias paradisíacas, atmosfera mística e religiosa e florestas tropicais habitadas por tigres, elefantes e macacos. Assim é a Tailândia, um país que durante toda sua existência conseguiu manter-se livre de dominações e preservou como poucos sua cultura e tradições.

Após uns dias de calor excruciante na capital Bangkok, onde me dediquei a aprender um pouco sobre a culinária tailandesa, viajei ao norte do país, onde visitei tribos de diferentes etnias, em meio a florestas luxuriantes, tranquilos templos budistas e mercados multicoloridos. Voltei a Bangkok apenas para pegar o voo para o meu destino principal nessa viagem, a efervescente cidade costeira de Phuket, no sul do país.

 


 

O cenário mudou completamente. Enquanto no norte predominam paisagens montanhosas, plantações de arroz, florestas com tigres selvagens e elefantes, comunidades camponesas e povos nativos, na península malaia a dinâmica é cosmopolita e urbana, multicultural, com praias paradisíacas e trânsito sempre caótico e infernal. Phuket é um famoso e escaldante balneário. Visitei comunidades de pescadores, aproveitei o mar e curti um pouco da noite e da pujante gastronomia thai, com seus pescados e frutos do mar enormes.

Em Patong, uma das áreas mais movimentadas de Phuket, a vida noturna é agitadíssima e vai sempre até de manhã. Enquanto o comércio local abre as portas, os últimos turistas ainda regressam a seus hotéis. Troca-se fácil parte do dia pela noite. O calor é sufocante, onipresente. São quase diárias as pancadas de chuva que duram poucos minutos e dão lugar a um sol ainda mais ardente. Enquanto na capital Bangkok o calor é um incômodo incessante, em Phuket a umidade e o vento dão uma trégua ao desconforto.

 

 


No terceiro dia, fui às inacreditáveis ilhas Phi Phi, um passeio maravilhoso. As ilhas estão a uns 40 minutos de barco de Phuket, e são visitadas anualmente por centenas de milhares de viajantes. Phi Phi é uma reserva natural em um cenário imponente, de aspecto selvagem e grandioso. O melhor jeito de conhecer Phi Phi é alugar um barco com mais algumas pessoas – e quase sempre há gente disponível para esse tipo de arranjo, e ir passar o dia lá. Ou procurar empresas que fazem esse serviço regularmente, e há muitas. Fica no arquipélago de Phi Phi uma das praias mais famosas da Tailândia, Maya Beach, e Maya Bay, a baía onde foram rodadas partes do filme A Praia, com Leonardo DiCaprio. Mas antes de A Praia, outro filme famoso de James Bond foi rodado lá: “007 contra o Homem com a Pistola de Ouro”. Foi esse filme que “apresentou” a Tailândia ao mundo, particularmente o sul do país. O filme foi gravado em uma das ilhas da região, que servia de esconderijo ao vilão. O local ficou tão famoso que passou a ser chamado de “Ilha de James Bond”. Após o grande sucesso de A Praia, Phi Phi passou a receber um número crescente de turistas, que hoje atinge, em certas épocas do ano, números críticos, incompatíveis com o ecossistema da região. Phi Phi é um parque natural, mas barcos abarrotados de chineses desembarcam freneticamente nas praias. O número de pessoas simultaneamente em algumas praias é, às vezes, desconcertante. A capital chinesa está a apenas cinco horas de voo de Phuket.

phi13

Para os que esperam um contato ainda mais intenso com a natureza exuberante das ilhas, Phi-Le Bay é o local perfeito, excelente para mergulhar com cilindros ou apenas snorkeling, com milhares de peixes multicoloridos. Phi Phi é, ainda por cima, um destino eclético, onde convivem casais em lua de mel, mochileiros e famílias, que se hospedam nos luxuosos resorts com praias particulares ou em hotéis mais modestos. A melhor época para visitar o sul da Tailândia é de outubro a maio, quando o calor é menos inclemente e chove menos. Visitar Phi Phi é daquelas viagens que não saem da memória.

phi22

Próximo a Phuket está Krabi, outra região de geografia semelhante, mas com uma diferença fundamental que faz de Krabi menos procurado por turistas: Em Phuket as águas são cristalinas e a areia é branquíssima, enquanto Krabi é uma região de mangues, com a água marron e a zona costeira tomada por vegetação característica de manguezais, e apenas pequenas praias ocasionais de areia acinzentada.

No dia 26 de dezembro de 2004, quando o país se preparava para celebrar o ano novo, nada parecia errado. Mas a centenas de quilômetros dali, no litoral de Sumatra, na Indonésia, 30 km abaixo da linha da água do Oceano Índico, um terremoto atingiu impressionantes 9,3 graus na escala Richter e mudou a história. O abalo provocou um enorme movimento no leito do oceano, que por sua vez causou o deslocamento de um volume inimaginável de água – um tsunami. Em segundos, a massa de água deslocada se converteu em uma sucessão de ondas, que, partindo do epicentro do terremoto, se dispersou em todas as direções, movendo-se a centenas de quilômetros por hora e incorporando, no caminho, mais volume e poder destrutivo. As ondas atingiram 14 países, inclusive o litoral da Tailândia, onde aproximadamente 11 mil pessoas não resistiram. “Algumas comunidades pesqueiras isoladas foram varridas do mapa com tal violência que ficou difícil precisar sua posição geográfica original”, contou o pescador Sunan Ratana. “Até mesmo os alicerces das palafitas foram arrancados e levados pela força das águas. Centenas de habitantes de vilas isoladas jamais foram encontrados”, completou ele.

phi23

Dez anos após a catástrofe, não há mais vestígios visíveis. A guia turística Tassanee Norma, fluente em quatro idiomas – inclusive o português, aprendido em Portugal –, passou por maus momentos. “Vi meu país ser engolfado por uma catástrofe descomunal, perdi amigos e colegas, mas após o choque, deixei o sofrimento de lado, arregacei as mangas e fiz o que pude para ajudar”, conta ela. Tassanee encarna o espírito do povo tailandês: ama o rei, celebra a identidade tai, reverencia seu país e cultiva o budismo.

Como resultado da catástrofe, as cidades costeiras e todas as ilhas de Phi Phi ganharam um sistema de sinalização e de rotas de escape. Em alguns pontos do fundo do oceano, equipamentos de registro sísmico foram instalados, conectados a um sistema que detecta até mesmo pequenas alterações. Em Phuket, ruas específicas foram alargadas para facilitar o escoamento em situações de emergência. Escolas e empresas realizam treinamentos e simulações periódicas, testando a eficiência do sistema e das vias de evacuação.

phi8

Alegres e positivos, os tailandeses referem-se ao evento traumático com serenidade e resignação. Nos hotéis, há alertas espalhados orientando o que fazer em caso de terremoto, tsunami, furacão ou incêndio. É impossível bater os olhos nesses alertas sem olhar pros lados e dar uma marota engolida em seco. Mas os visitantes parecem não se importar, ou preferem não lembrar o ocorrido, ou ainda avaliam como muito improváveis as chances de repetição.

Phuket é um destino perfeito para as celebrações de réveillon. A cada ano aumenta o número de turistas que procuram suas praias e ilhas paradisíacas. E o povo tailandês segue de bem com a vida, com sua característica alegria e fé inabalável.

 

Info & By Yourself
Apoio
Tourism Authority of Thailand – www.turismodatailândia.com

Quem Leva
Turkish Airlines – www.turkishairlines.com

Onde Ficar
Regent Phuket Cape Panwa – www.regenthotels.com/en/phuket

Onde Comer
Blue Elephant Phuket – www.blueelephant.com/phuket

 

Gostou desta matéria? Veja a edição completa da SAX Magazine #29.

Disponível na App Store e Google Play:

  

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>