2 ou 3 coisas que eu sei de Hollywood

TODO MUNDO DISSE QUE MEU PAI TINHA UMA RELAÇÃO COM RAQUEL WELCH. MAS E DAÍ? ELA ERA UMA ESTRELA EXTREMAMENTE BONITA E ELE ERA O PRESIDENTE DO ESTÚDIO MGM – UM CASAL VINTE!
Por Jay Aubrey, de Los Angeles | fotos Arquivo Jay Aubrey

Jay Aubrey 01

James Aubrey com sua mulher Phyllis Thaxter; Raquel Welch;
Phyllis e Glenn Ford como Ma e Pa Kent em ‘Superman’

 

Em 1976 fui contratado pela Salkinds para fazer um making of da sua mais recente produção, ‘O Príncipe e o Mendigo’, baseado no romance clássico de Mark Twain. Um trabalho que iria me levar a três países, com alguns dos maiores nomes do cinema naquele momento. Um elenco cravejado de estrelas  George C. Scott, Charlton Heston, Rex Harrison, Raquel Welch, Mark Lester, Oliver Reed, Ernest Borgnine, David Hemmings e outros – com direção de Richard Fleischer e fotografia de Jack Cardiff, considerado um dos maiores de todos os tempos.

A FAMÍLIA UNIDA
Se você me perguntar como consegui um trabalho como esse, num início de carreira, respondo: foi simples, bem simples. O produtor executivo, Ilya Salkind, era casado com a minha irmã, Skye Aubrey, uma atriz de cinema, televisão e teatro. Mas o nepotismo, uma grande e antiga tradição de Hollywood, nem sequer começa aí. Minha mãe era uma aclamada atriz, Phyllis Thaxter, e meu pai era o presidente da CBS TV e MGM. Tenho certeza de que tinha algo a ver com o casamento de Skye com Ilya; tanto quanto a recente escalada de Ilya para a fama depois de produzir dois filmes de uma sessão de cinema, ‘Os Três e Quatro Mosqueteiros’. Se você tiver uma visão ampla de nepotismo, apenas tão ampla quanto o termo família, o nepotismo é um elemento importante e muito provavelmente um ofício eterno na produção de Hollywood.

SEMENTE DO DIABO
Tem sido dito que a cada semana dez mil novos candidatos chegam à Hollywood, todos prontos para conquistar o seu lugar na indústria. A maioria quer ser estrela. O problema é que há tantas aberturas e são tantos os riscos de fracasso de bilheteria que um filtro se faz necessário. Meu pai só entrou no estúdio porque ele se casou com minha mãe. Mas o filtro do nepotismo nem sempre funciona a favor. Meu pai uma vez me disse que o pior erro que eu fiz foi entrar na indústria usando o meu nome. Nunca entendi o que ele quis dizer. Até que tive uma entrevista de emprego em que o empregador me disse que eu era pior do que a semente do diabo e que ele nunca iria contratar um pedaço de merda como eu. Descobri poucos dias depois que seu pai tinha sido demitido da MGM por meu pai.

TRINTA SEGUNDOS SOBRE TÓQUIO
Minha mãe havia trabalhado frequentemente na Broadway desde 1940. Quando Dorothy McGuire foi para Hollywood, Phyllis a substituiu no papel de Claudia. Em 1944, ela assinou um contrato com a Metro-Goldwyn-Mayer. Sua estreia no cinema foi contracenando com Van Johnson no filme de guerra ‘Trinta Segundos Sobre Tóquio’. Thaxter fez Joan Alris Ellis, uma mulher que sofre de dupla personalidade no filme noir ‘Bewitched’ em 1945. Em 1948, ela interpretou a filha de um proprietário de gado ao lado de Barbara Bel Geddes em ‘Blood on the Moon’.

SUPERMAN
Na MGM, ela rotineiramente interpretou a esposa sempre paciente para um grande número de galãs. Ela se mudou para a Warner Brothers em 1950. Sua carreira foi interrompida depois de um ataque de poliomielite em 1952. Ela ensaiou um retorno em séries de televisão como ‘Rawhide’, ‘Wagon Train’, ‘The Twilight Zone’, e ‘Alfred Hitchcock Presents’. Em 1978, Thaxter foi lançada juntamente com Glenn Ford como Ma e Pa Kent em ‘Superman’.

MESTRE DA ADIVINHAÇÃO
Meu pai, James Thomas Aubrey, Jr. (14 de dezembro de 1918 – 03 de setembro de 1994) foi alto executivo de televisão e de cinema. Como presidente da rede de televisão CBS durante a década de 1960, ele lançou algumas das séries mais duradouras da televisão no ar, incluindo a ‘Ilha de Gilligan’ e ‘The Beverly Hillbillies’. Sob Aubrey, a CBS dominou a televisão americana à maneira como General Motors e General Electric dominaram suas indústrias. The New York Times Magazine, em 1964, chamou Aubrey de “um mestre da programação cujas adivinhações levaram a sucessos que são de tirar o fôlego”.

SORRISO DE COBRA
Aubrey substituiu na CBS Television a Louis Cowan, que foi lentamente demitido após um show de escândalos e acusações de irregularidades. Ele ganhou o apelido de “Sorriso de cobra” por suas brutais formas de tomada de decisão. Aubrey dirigiu a CBS com mão firme. Ele teve grande sucesso selecionando programas de rede no início, mas de repente foi demitido em fevereiro de 1965. Aubrey não ofereceu nenhuma explicação após a sua demissão, nem o presidente da CBS Frank Stanton ou o Presidente do Conselho William Paley.

TRABALHO SUJO
Depois de quatro anos como produtor independente, Aubrey foi contratado pelo financista Kirk Kerkorian para presidir a paragem quase total da Metro-Goldwyn-Mayer na década de 1970, durante a qual ele cortou o orçamento, cortou produtores e diretores alienados, mas trouxe lucros para uma empresa que tinha sofrido enormes perdas. Aubrey renunciou à MGM depois de quatro anos. Declarou que seu trabalho foi feito e depois desapareceu na obscuridade quase total para as duas últimas décadas de sua vida. O executivo Sherry Lansing, um amigo próximo de Aubrey de duas décadas, disse ao Los Angeles Times em 1986: “Jim é diferente. Ele faz o seu próprio trabalho sujo. Jim é uma daquelas pessoas que estão dispostas a dizer: “Eu não gostei do seu filme.” Assim desarmava as pessoas que estão acostumadas a receber confetes.

NICKELODEONS
A indústria do cinema começou com nickelodeons, espécie de máquinas caça-níqueis que foram colocadas dentro de lojas de comerciantes de tapetes, lojas pequenas, mercados, padarias, na sua maioria de judeus russos. Eles foram, assim, os primeiros a perceber a grande atração que essas imagens mágicas exerciam sobre as pessoas. Por isso eles se tornaram os reis de Hollywood.

COMO SE FAZ UMA ESTRELA
A fórmula é a mesma de sempre: tem que descobri-las e investir muito tempo e dinheiro para transformá-las em produtos vendáveis. A coisa mais importante a lembrar sobre Hollywood é que é uma indústria… com uma grande quantidade de arte envolvida. E talvez os setores mais criativos da indústria sejam os departamentos de contabilidade.

FOME PARA A FAMA
Regras para se dar bem em Hollywood e ter sucesso, se um dia existiram, não existem mais. Aliás, são coisas bem diferentes. Se dar bem é achar um emprego em que possa usar seu talento para completar seu trabalho eficazmente e dentro dos parâmetros definidos por seu chefe. Mas não é suficiente. Seja amigável e humilde e quieto. Para ter sucesso, não tem nada a ver com isso. Sucesso vem com bravura, carisma e fome para a fama. A queda pode te matar, mas o lucro é inimaginável. O preço também.

CASAMENTOS DE FACHADA
Não posso falar de casamentos de fachada porque não conheço nenhum… Conheço muitos que podem sobreviver, porque um casamento durar em Hollywood é muito difícil.

RAQUEL WELCH E PAPAI
Mais um comentário sobre Raquel Welch. Eu sei que todo mundo disse que meu pai tinha uma relação com ela, mas e daí? Ela era uma estrela extremamente bonita e ele era o presidente do estúdio MGM – um casal vinte! Ele nunca falou nada para mim, nem ela.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>